Sword Art Online ~Brazilian Portuguese~:Volume 1 Capitulo 12

From Baka-Tsuki
Jump to: navigation, search

Capítulo 12[edit]

“…to! Kirito!”

Os chamados de Asuna, que eram verdadeiros gritos, me forçaram a acordar. Assim que eu levantei, a dor voltou a atingir a minha cabeça e fez meu rosto se contorcer.

“Owww...”

Eu olhei para os lados e vi que ainda estávamos na sala do chefe. Fragmentos azuis brilhantes ainda flutuavam. Parece que eu havia perdido a consciência por alguns segundos.

Asuna estava de joelhos no chão, seu rosto estava bem de frente ao meu. Ela parecia trêmula e mordia o seu lábio inferior. Parecia que ela iria começar a chorar.

“Seu idiota...! Por que…!?”

Fora o que ela disse, antes de pular nos meus braços e me abraçar. O choque foi suficiente para me fazer esquecer a dor por um momento. Eu só consegui piscar, surpreso.

“...Não me abrace tão forte. Você vai fazer meu HP desaparecer.”

Eu disse isso em um tom de brincadeira. Mas Asuna respondeu com uma expressão irritada. Ele colocou um pequeno pote em minha boca. O liquido que fluía agora pelo meu corpo tinha gosto de suco de limão misturado com chá verde. Em apenas cinco minutos havia restaurado todo o meu HP, mas minha fadiga estava longe de acabar.

Asuna olhava para o pote para confirmar se eu havia bebido tudo. Então, seu rosto começou a corar e ela colocou sua testa sob meu ombro para esconder.

Eu levantei minha cabeça ao ouvir o som de passos e vi Klein se aproximando. Ele parecia um pouco triste por nos interromper, mas começou a falar.

“Nós acabamos de curar todos os membros restantes do Exército, mas Cobert e dois dos seus homens morreram...”

“... É... Essa é a primeira vez que alguém morre durante uma luta contra um chefe dês do 67° andar...”

“Isso nem foi uma luta. Aquele idiota do Cobert... Você não pode lutar se está morto...”

Klein cuspiu e deu um longo suspiro, balançando sua cabeça e me perguntou tentando mudar um pouco de humor.

“Voltando ao assunto, o que diabos foi aquilo!?”

“... Eu realmente preciso explicar para você?”

“É claro! Eu nunca vi algo como aquilo antes!”

Eu então percebi que, com exceção de Asuna, todos na sala olhavam para mim, esperando uma resposta.

“... É uma habilidade extra: <Lâminas Duplas>.”

Olhares surpresos tomaram conta de Klein, seu grupo e os sobreviventes do Exército.

Todas as habilidades das armas têm que ser aprendidas em ordem de alcançar outros tipos. Pegue as espadas, por exemplo, você tem que treinar com as de uma mão antes da <Rapier> ou a <Espada de duas mãos> aparecerem na sua lista.

Naturalmente, Klein estava interessado, então ele me apressou a falar o resto.

“E as condições para conseguir, você sabe?”

“Se eu soubesse, eu já teria dito.”

Balancei minha cabeça, Klein suspirou e murmurou.

“Você está certo...”

Habilidades de armas que não tinham condições claras para aparecer eram chamadas de habilidades extras. Elas muitas vezes tinham o que chamávamos de “condições aleatórias”. Pegando por exemplo a <Katana> do Klein. Katanas não são tão raras, pois aparecem se você treinar muito habilidades de Espada Curvada.

Mais ou menos 10 habilidades extras tinham sido encontradas até agora, incluindo a Katana, que tinha no mínimo 10 usuários de cada uma delas. As únicas exceções eram minhas <Lâminas duplas> a habilidade extra daquele homem.

Essas duas eram aparentemente limitadas a apenas uma pessoa, por isso eram chamadas de <Habilidades únicas>. Eu havia escondido a existência dessa minha habilidade até agora, mas a partir de hoje, as notícias de que eu sou o segundo usuário de habilidade única correria pelo mundo. Não há como eu esconder mais depois de usar na frente de tantas pessoas.

“Eu estou desapontado, Kirito. Você nem me vai dizer como conseguiu essa habilidade incrível.”

“Eu diria para você, se eu soubesse as condições para ela aparecer. Mas eu realmente não sei como aconteceu.”

Eu respondi a Klein e cruzei os ombros.

Eu não menti no que eu disse. Há cerca de um ano, eu abri o menu de habilidades e encontrei a habilidade <Dual Blades> bem ali. Eu não tenho idéia de quais são as condições para ela aparecer.

Desde então, eu treinava apenas quando não tinham ninguém por perto. Então depois que a dominei completamente, passei a raramente usar em monstros exceto em situações de

emergência. Para me proteger durante crises e por que simplesmente sei que esse tipo de habilidade chama a atenção.

Eu penso que seria até melhor se outro usuário de Lâminas Duplas aparecesse-

Eu observei a área e então murmurei.

“... Se souberem que eu tenho uma habilidade rara, as pessoas não vão apenas me encher para conseguir informações, como vou atrair outros problemas também...”

Klein assentiu.

“Jogadores de MMO ficam com inveja muito facilmente. Eu sou um cara muito compreensivo, mas tem muitas pessoas invejosas por aí. Sem mencionar...”

Subitamente Klein parou de falar e olhou para Asuna, que ainda estava me abraçando carinhosamente e sorrindo.

“... bem, considere o sofrimento outra forma de treino, jovem Kirito.”

“Então, para você é apenas problema de outra pessoa...?”

Klein se inclinou e bateu no meu ombro, então se virou e partiu em direção aos sobreviventes do <O Exército>;

“Ei, vocês, acham que podem voltar ao QG sozinhos?”

Um deles assentiu. Ele era um garoto que parecia apenas um adolescente.

“Ok. Diga aos seus superiores o que aconteceu aqui hoje e diga que eles não devem fazer algo estúpido de novo.”

“Sim... e, err... Obrigado.”

“Agradeça aquele cara ali atrás.”

Klein apontou para minha direção. Os jogadores do exército se levantaram trêmulos e partiram olhando para Asuna e eu, que estava ainda no chão e então fizeram uma reverência, antes de sair daquele lugar. Após chegar ao corredor, eles usaram seus cristais e se teletransportaram.

Depois que o brilho azul desapareceu, Klein colocou a mão sobre o queixo e começou a falar.

‘Bem, vamos ver... Nós vamos continuar até o septuagésimo quinto andar e abrir e abrir o caminho de lá E quanto a você? Você é homem do dia, então quer fazer as honras?”

“Não, eu deixo isso para você. Eu estou acabado.”

“Nesse caso... Tome cuidado no caminho de volta.”

Klein sorriu e sinalizou para seus companheiros. Os seis andaram em direção a grande porta no final da sala. Atrás dela estão as escadas para o próximo andar. O mestre Katana parou em frente a porta e se virou.

“Ei... Kirito. Sabe quando você correu para salvar os membros do Exército...”

“... O que tem isso?”

“Eu estou... Bem, muito orgulhoso. Isso é tudo. Te vejo por aí.”

Eu não consegui captar o que ele queria dizer. Enquanto eu pensava, Klein abria a porta e desaparecia com seu grupo.

Apenas Asuna e eu ficamos naquela enorme sala. As chamas azuis que antes brilhavam já haviam desaparecido há algum tempo, a atmosfera sinistra daquele lugar se fora sem deixar rastros. Uma luz fraca brilhava do corredor que ligava a esse lugar. Nem um sinal de batalha havia restado.

Eu disse alguma coisa a Asuna, que continuava com sua cabeça em meus ombros.

“Ei... Asuna...”

“... Eu estava com tanto medo... Eu não saberia o que fazer... Se você morresse.”

Sua voz estava fraca. Na verdade, estava mais fraca desde que eu a conheci.

“... Do que você está falando? Você foi quem avançou primeiro.”

Eu disse aquilo e gentilmente coloquei minha mão sobre o ombro de Asuna. Uma bandeira de infração de maneiras surgiria se eu a agarrasse, mas isso não me preocupava.

Enquanto eu a puxava calmamente, meus ouvidos quase não escutaram a sua voz pequena.

“Eu vou tirar umas férias da Guilda.”

“Tirar umas férias... Por quê?”

“... Eu disse que iria ser sua companheira por um tempo... Você esqueceu?”

Assim que eu ouvi isso...

Em algum lugar do meu coração, um sentimento que eu não conseguiria descrever tomou conta de mim. Isso me surpreendeu.

Eu - O jogador solo Kirito - uma pessoa que havia abandonado todos os outros jogadores para me manter vivo nesse mundo. Eu era um covarde que virou as costas para seu único amigo e fugiu por dois anos, até o dia em que isso começou.

Uma pessoa como eu, não deve ter o direito de desejar ter um companheiro—muito menos algo mais do que isso.

Eu já havia percebido o caminho que escolhi era doloroso e imperdoável. Eu queria nunca mais desejar isso novamente, nunca me importa com os outros.

Mas-

Minha mão esquerda, que estava rígida, não deixava Asuna sair de perto de mim. Eu simplesmente não podia me afastar do calor virtual do seu corpo.

Eu queimava diante de uma grande contradição, um conflito dentro de mim com essa emoção inexplicável, quando eu respondi da forma mais curta que podia.

“...okay.”

Depois de ouvir minha resposta, Asuna se encostou mais próxima do meu ombro.

No dia seguinte.

Eu estava escondido no segundo andar da loja do Egil desde manhã. Estava sentando em uma cadeira feita de pedras com minhas pernas cruzadas e bebendo um chá de sabor estranho, até eu perceber que era um produto defeituoso. Eu também estava de péssimo humor.

Toda Algate—não, provavelmente toda Aincrad deveria estar ocupada discutindo os eventos de ontem.

Andar concluído, o que significava a abertura de uma nova cidade, o suficiente para começar uma exorbitante quantidade de fofocas. Porém dessa vez, muitos rumores estava misturados, como <O demônio que exterminou o batalhão do Exército> e <O Espadachim das Lâminas Gêmeas que matou o demônio sozinho com uma seqüência de 50 golpes.>>... Deveria existir um limite do quanto eles poderiam exagerar nessas coisas.

De alguma forma, eles descobriram onde eu estava vivendo. Como resultado, espadachins e vendedores de informações cercavam a minha casa desde madrugada. Eu acabei tendo problemas e precisei usar um cristal de teletransporte para escapar.

“Eu vou me mudar... Para algum andar super rural, para algum vilarejo onde eles nunca possam me encontrar...”

Enquanto eu murmurava isso sem parar, Egil se aproximou com um sorriso no rosto.

“Ei, não seja assim. É bom ficar famoso alguma vez na vida. Por que você não vai lá fazer um discurso? Eu posso cuidar dos ingressos e da passagem...”

“Sem chance!”

Eu disse isso e joguei o copo de chá com a minha mão direita, acertando uma área a apenas cinqüenta centímetros da cabeça de Egil. Como estou habituado a ativar a minha habilidade de Jogar Arma o copo acabou atingindo a parede em alta velocidade, deixando um rastro de luz antes de ser esmagado pela parede fazendo barulho. Apesar disso, esse quarto era um objeto indestrutível, então nada que acontecesse graças ao sistema de <Objetos Imortais>. Se eu tivesse jogado uma peça da mobília ela seria destruída com certeza.

“Ah, você está tentado me matar?!”

Quando o vendedor gritou isso, apesar de estar exagerando, eu levantei minha mão direita em sinal de desculpas e apoiei minhas costas contra a cadeira novamente.

Egil estava examinando o tesouro que eu havia recebido da luta de ontem. Toda vez ele fazia muito barulho, o que provavelmente significava que eram itens muito bons e valiosos.

Eu planejava me equiparar a Asuna em questão de dinheiro vendendo o que tinha conseguido, nossa promessa de se encontrarmos estava de pé, mas ela ainda não tinha chegado. Eu já tinha enviado uma mensagem, então ela deveria saber onde eu estava.

Nós chegamos à praça central pelo telentransporte no 74° andar onde. Ela disse que iria ao QG da KoB para acertar as suas férias, em Gradum uma cidade do 55° andar. Eu perguntei se ela não queria que eu fosse com ela, por causa de todos os problemas com Cradil. Mas ela disse que ficaria tudo bem com um sorriso no rosto e eu abandonei esse pensamento.

Já havia se passado duas horas desde a hora prometida. Se ela estava tão atrasada, então alguma coisa teria acontecido? Eu deveria ir atrás dela? Eu bebi o chá em um só gole para acalmar minha ansiedade.

Justo no momento em que coloquei o pote de chá na minha frente e Egil terminava suas observações, eu ouvi passos apressados na escada. Então, a porta se abriu com força.

“Ei, Asuna...”

Eu quase disse “você está atrasada”, mas me controlei. Asuna estava usando seu uniforme como de costume, mas seu rosto estava pálido e a preocupação era visível em seus olhos. Ela tinha ambas as mãos sobre o peito, enquanto mordia seus lábios duas, três vezes, então disse:

“O que vamos fazer... Kirito...”

Ela forçava a voz sair, mas estava perto de chorar.

“Alguma coisa... ruim aconteceu...”

Depois de beber um pouco de chá, um pouco de vida voltou ao rosto de Asuna e ela começou a se explicar um tanto hesitante. Egil voltou ao primeiro andar percebendo a atmosfera.

“Ontem... Depois que eu voltei do QG em Grandum, eu reportei tudo que havia acontecido ao líder da guilda. Então eu disse que queria tirar umas férias da guilda e voltar para casa... Eu pensava que conseguiria a permissão durante o encontro matinal da guilda...”

Asuna, que estava do lado oposto ao meu, estava com os olhos cabisbaixos e segurava o copo de chá, trêmula, antes de continuar.

“O líder... disse que eu poderia ter um repouso dos deveres na guilda. Mas haveria uma condição... Ele disse que... queria lutar... contra você, Kirito...”

“O quê?”

Eu não pude entender o que ele havia dito naquele momento. Lutar... Isso significa um duelo? O que um duelo teria a ver com Asuna descansar um pouco?

Quando eu fiz essas perguntas...

“Eu também não sei”

Asuna balançou sua cabeça olhando para o chão.

“Eu tentei argumentar com ele, mas não consegui... ele simplesmente não me escutava...”

“Mas... Isso é problemático. Para um cara como ele apresentar uma condição como essa...”

Eu murmurei criando uma imagem do líder da KoB em minha mente.

“Eu sei. O líder normalmente deixa que nós façamos as estratégias para concluir os andares, deixando todas as atividades da guilda. Mas eu não sei por que dessa vez ele...”

Apesar do líder da KoB esbanjar carisma, o que o tornava admirado por não apenas os membros de sua guilda, mas também a maioria dos membros da linhas de frente, ele nunca havia dado ordens ou instruções. Eu lutei ao lado dele em algumas lutas contra chefes e era incrível a sua capacidade de se manter em frente sem dizer uma única palavra.

Para um cara como esse fazer objeções e criar uma condição de ter um duelo comigo, o que diabos poderia ser tudo isso?

Mesmo estando completamente confuso, eu pedia para Asuna se acalmar.

“... Bem, vamos para Grandum primeiro. Eu vou tentar falar com ele diretamente.”

“É... Desculpa. Eu estou sempre te causando problemas...”

“O que tiver que ser feito, eu farei com prazer por que você...”

Asuna olhou para mim com expectativa, enquanto eu parava em meio à sentença.

“... minha importante parceira.”

Asuna ocultou sua insastifação e então revelou um sorriso terno.

O homem mais forte. A Lenda Viva. O Paladino e etc., etc., o líder da Knights of the Blood tinha tantos títulos que você não conseguiria nem contar com suas mãos.

Seu nome era Heathcliff. Antes das minhas <Lâminas Duplas> ele era conhecido como o único dono de uma habilidade única entre os 6 mil jogadores restantes de Aincrad.

Sua habilidade extra era uma cominação de espada e escudo, ambos cruzados, formando uma combinação perfeita de ataque e defesa. Seu nome era <Espada Iluminada>. Eu havia visto ela algumas vezes, notando que aquela habilidade tinha como aspecto mais útil sua incrível força defensiva. Rumores falavam que ninguém viu seu HP chegar a área amarela. Durante a batalha no 50º andar, onde o chefe havia causado pesadas perdas aos jogadores, ele se manteve na linha de frente sozinho por dez minutos. Esse feito continua popular em conversas até hoje.

Não havia arma que pudesse perfurar a o escudo em cruz de Heathcliff.

Isso era um dos princípios mais aceitos em Aincrad.

Assim que eu cheguei ao 55º andar com Asuna, eu me senti muito nervoso. É claro, eu não tinha a intenção de cruzar espadas com Heathcliff. Eu apenas iria pedir para que ele aceitasse o pedido de Asuna por umas férias temporárias; esse era meu único objetivo.

Grandum, a área habitada do 55°, tinha o apelido de <Cidade de Aço>. Isso era por que Grandum diferente das outras cidades que foram construídas com pedras, ela havia sido construída usando aço escuro. A cidade em si, tinha muitas ferrarias e a população de jogadores era bem grande. Porém, não havia nenhuma árvore ou sinal de ver ao redor das ruas, o que causava a sensação de que aquela cidade era castiga pelos ventos no inverno.

Nós seguimos para a praça central e andamos por toda a estrada, que era feito de placas de aço ao invés de concreto. Os passos de Asuna estavam pesados; talvez por que estivesse com medo do que poderia acontecer.

Nós passamos pelas torres de aço por alguns minutos até chegar a uma gigantesca torre que aparentava ser muito maior que as demais. Lanças de prata estavam colocadas sobre os enormes portões, e algumas bandeiras brancas com cruzes vermelhas eram movimentadas pelo vento. Esse era o QG da Knights of the Blood.

Asuna parou na minha frente. Ela olhou para torre por um momento e disse:

“Antes, o QG era uma pequena casa em um vilarejo do interior, no 39º andar. Todos diziam que era bem pequena e acolhedora. Eu não sou contra a expansão da guilda... mas essa cidade é muito fria, eu não gosto disso...”

“Então vamos apenas entrar logo; para irmos comer alguma coisa quente.”

“Você sempre está falando de comer.”

Asuna sorriu e moveu sua mão esquerda que gentilmente segurou os dedos da minha mão direita. Ela não olhou para mim, que estava perplexo atrás dela e fiquei assim por alguns segundos.

“Ok, carregamento completo!”

Então ela soltou minha mão e seguiu andando pelos corredores. Eu me apressei e a segui.

Depois de subir as escadas, nós chegamos a um portão duplo, onde havia guardas fortemente equipados de ambos os lados. Asuna andou até eles, com o som de suas botas soando pelo chão. Assim que ela se aproximou deles, ambos os guardas a reverenciaram elevando suas lanças.

“Obrigada pelo seu trabalho duro.”

Com sua resposta ríspida, ela seguiu confiante. É difícil acreditar que ela é a mesma garota depressiva que eu encontrei na loja do Egil uma hora atrás. Seguindo de perto a Asuna, eu passei pelos guardas e entrei na torre com ela.

Como as outras construções em Grandum, essa torre também era feita de metal negro. O saguão de entrada era espaçoso, mas não havia sinal de nenhuma pessoa ali.

Pensando bem, essas construções eram ainda mais frias que as ruas lá fora, nós passamos por um andar repleto de mosaicos, que foram meticulosamente construídos com várias peças de metal e se tornaram uma escadaria em espiral.

Nós seguimos pelas escadas, com nossos passos ecoando por todo o salão. As escadarias eram longas e uma pessoa com pouca vitalidade cansaria na metade do caminho. Depois de passarmos por incontáveis portas, eu comecei a me preocupar com o quanto ainda teríamos que andar. Então Asuna finalmente parou em frente a uma fria porta de aço.

“É aqui...?”

“Sim...”

Asuna assentiu, com uma expressão relutante no rosto. Ela parecia ter chegado a uma decisão, levantou sua mão direita e bateu de leve na porta, que se abriu sem responder. Eu quase fui cegado pelo brilho que emanava daquele quarto.

Dentro daquela sala estava o que poderia ser o andar inteiro daquela torre. Os muros feitos ambos de vidro transparente. A luz passava por elas e coloria a sala com um tom de cinza.

Uma grande mesa circular estava no centro do local; com cinco homens sentados em cadeiras atrás. Eu nunca tinha visto os outros quatro dos lados, mas eu reconheci o que estava no meio. Era o paladino Heathcliff.

Ele não parecia tão imponente. Sua idade deveria ser algo perto dos vinte e cinco anos. Suas feições eram afiadas como a de um estudioso e ele tinha um fio de cabelo cinza passando por sua testa. Um manto vermelho e um corpo alto e magro, que o fazia parecer mais um bruxo do que um espadachim.

Mas havia algo em seus olhos. Aqueles misteriosos olhos emitiam um forte magnetismo nas pessoas. Essa não era a primeira ver que eu o conhecia; mas sendo sincero, eu estava intimidado.

Asuna andou até a mesa, fazendo o som de suas botas novamente ecoarem.

“Eu vim aqui dizer Adeus.”

Heathcliff deu um sorriso em resposta:

“Não precisa se apressar; Por favor, deixe que ele se aproxime para que eu possa falar com ele primeiro.”

Ele olhou para mim quando disse isso. Eu então segui e me coloquei próxima a Asuna.

“Essa é a primeira vez que nós nos encontramos fora de uma luta contra chefes, Kirito?”

“Não...Nós conversamos um pouco durante o encontro estratégico do 67°.”

Eu respondi em um tom formal, sem perceber.

Heathcliff assentiu e suspirou, colocando suas mãos juntas ao topo da mesa.

“Essa fora uma batalha difícil. Nós tivemos muitas casualidades em nossa guilda. Até mesmo a proclamada mais poderosa guilda, sofre com a falta de pessoal. E nesse momento você está tentando levar um dos nossos mais preciosos jogadores.”

“Se ela é tão preciosa assim, por que não poderiam escolher melhor os guarda costas?”

O homem do lado direito moveu-se, com sua expressão alterada. Mas Heathcliff o parou com um simples movimento das mãos.

“Eu ordenei que Cradil voltasse para casa e refletisse com seus erros. Eu devo me desculpar por quaisquer problemas que ele tenha lhe causo. Mas, nós não podemos ficar aqui parados enquanto você leva nossa sub-líder embora. Kirito-“

Ele subitamente me encarou; seus olhos metálicos mostravam uma determinação incansável.

“Se você quer tela—vença com sua espada, com suas <Dual Blades>; Se você lutar comigo e vencer, então Asuna pode ir com você. Mas se você perder, então você vai ter que se juntar a Knights of the Blood.”

“...”

Eu senti que agora podia entender um pouco aquele homem misterioso.

Ele era completamente obcecado por duelos. Além disso, ele tinha uma inquestionável confiança em suas próprias habilidades. Ele era uma pessoa sem esperanças que não poderia jogar fora seu orgulho como jogador depois de ser preso nesse jogo da morte. Em outras palavras, ele era como eu.

Depois de ouvir as palavras de Heathcliff, Asuna que se manteve em silêncio até aquele momento, abriu sua boca e falou o que não podia mais suportar.

“Líder, eu não disse que iria sair da guilda. Eu apenas quero uma saída temporária, para ficar um pouco em paz e pensar em algumas coisas...”

Eu coloquei minha mão sobre o ombro de Asuna, suas palavras se tornaram mais agitadas, então dei um passo a frente. Eu encarava Heathcliff diretamente e minha boca se moveu sozinha.

“Ok. Se você quer conversar por nossas espadas, então eu não tenho objeções. Vamos decidir isso em um duelo.”

“Aun--!!! Idiotaidotaidiota!!!”

Nós voltamos para Algade, no segundo andar da loja do Egil. Depois de sermos perseguidos pelos olhares curiosos dos compradores do primeiro andar, eu tentei acalmar a Asuna.

“Eu estava tentando convencer ele, então você simplesmente diz uma coisa dessas!!!”

Asuna sentava-se sobre o braço da cadeira onde eu estava, me acertando com seus punhos.

“Me desculpa! Me desculpaaaa! Eu simplesmente fiz…”

Ela finalmente se acalmou quando eu gentilmente segurei seus punhos; mas agora ela estava fazendo um beicinho. Eu me controlei para não rir da diferença que entre ela dentro do QG e dela agora.

“Está tudo bem. Nós vamos decidir isso usando regras de primeiro ataque, então não vai ser perigoso. Além disso, eu não perderei...”

“Uru~...”

Asuna tomou um olhar irritado e cruzou os braços.

“… quando eu vi as <Lâminas Duplas> do Kirito, eu pensei que sua habilidade estava em um nível completamente diferente. Mas é a mesma coisa com a <Espada Iluminada> do líder... qualquer um pode dizer que esse poder é forte o suficiente para destruir o equilíbrio do jogo. Sinceramente, eu não sei quem vai vencer... Mas, o que você vai fazer? Se você perder, não importa se eu descansarei, você terá de se juntar a KoB. Kirito.”

“Bem, você pode dizer que eu ainda quero alcançar meu objetivo, então depende de como você pensa nisso.”

“Eh? Por quê?”

Eu forcei minha boca a abrir e responder.

“Err, bem, assim... enquanto você estiver comigo, eu não me importo em me juntar a guilda.”

No passado, eujamais diria algo como isso, nem que fosse para salvar minha própia vida. Os olhos de Asuna mostravam sua surpresa e seu rosto ficou vermelho como uma maçã. Então, por alguma razão, ela ficou em silêncio e seguiu em direção a janela.

Estando próximo a Asuna, eu podia ouvir todos os sons de Algate.

O que eu havia dito era verdade, mas eu ainda estava relutante em tornar-me membro de uma guilda. Assim que eu me lembrei do nome da única guilda que eu pertenci, que não existe mais hoje, a dor atravessou meu coração.

“Bem, eu não tenho a intenção de perder...”

Eu pensei. Então me levantei da cadeira e me aproximei de Asuna.

Depois disso, Asuna repousava sua cabeça sobre o meu ombro direito.