Sword Art Online ~Brazilian Portuguese~:Volume 3 Prologo

From Baka-Tsuki
Jump to: navigation, search

[edit]

Havia ali três pontos verdes que brilhavam, eles estavam alinhados como uma constelação modesta.

Kirigaya Suguha estendeu um dos dedos da sua mão direita, analisando as luzes.

Os indicadores LED demonstravam a o status operacional atual do maquina VR modelo Full Dive.

«NerveGear». Situada na parte frontal do aparelho, os indicadores monitoravam—da direita para esquerda—a energia, a conexão de rede e a conexão cerebral. Naquele momento a luz mais a esquerda agora estava vermelha, o que significava a destruição do cérebro do usuário da máquina.

Aquele que utilizava o aparelho estava em uma espaçosa cama de gel no meio de um quarto de hospital branco e um sono a qual nunca iria acordar. Não, essa não é a expressão mais exata. Na verdade, sua alma estava lutando dia e noite em um universo paralelo distante—arriscando- se pela liberdade de outras milhares de pessoas que também estavam captativas.

"Onii-chan..."

Suguha chamou com a voz baixa pelo seu irmão que dormia; Kazuto.

“Dois anos já se passaram, huh... I—na próxima vez, eu vou ser uma estudante do ensino médio, sabe... Se você não voltar logo, eu vou acabar passando de você...”

Ela abaixou seu dedo da tela LED, traçando uma linha até a bochecha do seu irmão. Durante esse longo coma, os Músculos de Kazuto começaram a se deteriorar, e esse seu aspecto fino deu a ele um perfil excessivamente feminino e triste, apesar da sua aparência originalmente androgênica. Mesmo a sua mãe brincava com isso, chamando-o de «Bela adormecida» da família.

Seu rosto não era única coisa que afinava. Todo seu corpo emagrecia e parecia fadigar—ele estava em um estado miserável comparado a Suguha, que esteve treinando Kendo desde pequena—o peso do seu corpo era obviamente insuficiente. Ela se perguntava que, se isso continuasse, chegaria um momento em que ele seria reduzido a nada...? Recentemente, ela estava sendo atormentada por esse medo.

Entretanto, Suguha esteve resistindo contra essa possibilidade a e de chorar naquele quarto de hospital há um ano. Naquele dia, um membro do Ministério de Assuntos Internos e Comunicação do «Time de Contra Medidas ao Incidente SAO» informou a eles com a voz cautelosa: Que o «nível» do irmão dela estava no topo de uma pequena porcentagem de pessoas naquele imenso grupo no jogo—que ele estava constantemente indo às perigosas linhas de frente para batalhar e um dos poucos jogadores focados.

Isso confirmava que hoje também, seu irmão estava lutando em uma batalha até a morte. E era por isso que Suguha não chorava aqui. Ao invés disso, ela continuava a segurar sua mão e torcer por ele.

“Faça seu melhor... Faça seu melhor, Onii-chan.”

Como sempre, a mão direita de aspecto ósseo de Kazuto estava envolvida pelas suas mãos— enquanto ela rezava em silêncio, uma voz subitamente surgiu por de trás dela.

“Ah, você veio, Suguha.”

Ela se virou agitada.

“Oh, mãe...”

Aquela que estava na sua frente era sua mãe, Midori. A porta do quarto era automática e extremamente silenciosa quando abria e fechava; como resultado, Suguha não conseguiu ouvir quando sua mãe entrou.

Midori então, depois de arrumar o conjunto de flores com sua mão direita e as colocar no vaso ao lado da cama, abaixou-se para se sentar ao lado de Suguha. Provavelmente voltando do seu local de trabalho, ela utilizava uma camisa de algodão e uma jeans fina, junto com uma blusa leve acima da cintura que lhe dava um aspecto rude. Com sua maquiagem final e cabelo simplesmente amarrado nas costas, as pessoas não conseguiam ver a aparência de uma mulher chegando aos quarenta no ano que vem. Embora que seu trabalho coma editora chefe de uma revista de computadores possa ser parcialmente culpado, essa pessoa em si não tinha nenhuma intenção de agir ou se parecer com uma pessoa da sua idade—então você pode dizer que para Suguha a mãe era mais como uma irmã mais velha.

“Mãe, você veio na hora certa. Agora não está um pouco cedo para terem terminado a revisão?”

Suguha disse e Midori riu.

“Eu consegui escapar e vim. Eu não venho com muita frequência, mas ao menos hoje.”

“É verdade... Hoje o Onii-chan estaria... Fazendo aniversário, não é mesmo?”

Ambas se mantiveram em silêncio por um tempo, observando enquanto Kazuto dormia em sua cama. A cortina balançava enquanto o pôr-do-sol entrava e coloria o quarto, enquanto o aroma do cosmos² se espalhava pelo ar.

“Kazuto... já tem 16 anos agora, huh...”

Midori murmurou e suspirou.

“... Mesmo agora, eu me lembro daquele incidente como se fosse ontem. Naquela hora Minetaka-san e eu estavamos assitindo um filme na sala e Kazuto subitamente disse por de trás de mim, 'Por favor, me fale sobre meus verdadeiros pais'”.

Suguha, imóvel, olhou para os lábios um pouco vermelhos e encantadores de Midori, um pequeno sorriso de nostalgia apareceu neles.

“Naquele tempo, eu fiquei muito surpresa. Kazuto tinha apenas 10 anos. Até Suguha entrar no ensino médio... isso era um segredo que nós estava planejando manter por mais sete anos, mas ele descobriu vendo os registros apagados do seu Juki Net³.”

Quando Suguha ouviu isso pela primeira vez, antes ela ficou surpresa, ela deu o mesmo pequeno sorriso que a sua mãe.

“Isso é realmente algo que o Onii-chan faria, huh?”

“Nós estavamos tão surpresos que nós não nos fingimos de ignorantes ou feridos. Essa parecia ser a estratégia do Kazuto. Mais tarde, Minetaka-san disse que “nós tivemos e teremos” e aquilo nos afligiu.”

“Ahahaha.” ambos começaram a rir, e por um momento elas olharam para Kazuto que dormia sem dizer uma única palavra.

O irmão, Kirigaya Kazuto, que sempre viveu junto com Suguha desde o momento em que percebeu as coisas ao seu redor, era para ser mais exato, seu «primo».

Kirigaya Mineki e Kirigaya Midori, marido e mulher, e tinham apenas uma filha: Suguha. Enquanto Kauzto era filho da irmã de Midori, o que significa que ele era o filho da tia de Suguha. Sua tia e seu marido sofreram um acidente e sem escolha, deixaram seu único filho, que não tinha nem um ano, aos cuidados de Midori. Os sérios ferimentos que eles sofreram puseram fim a suas vidas.

Esse fato foi dito a Suguha por ambos os seus pais durante o inverno de dois anos atrás, naquele tempo, Kazuto estava preso no jogo de realidade virtual, cujo nome era «Sword Art Online». Suguha que já havia ficado chocada pelo incidente, ficou em um cruel estado de confusão; ela foi até Midori, perguntando por que ela não havia dito isso antes e por que ela era a única que não sabia, e jogou toda sua confusão em Midori.

Dois anos se passaram, e mesmo agora, no fundo do seu coração, o sentimento de alienação ainda estava presente, o de ser a única que não sabia nada. Entretanto, durante esse tempo, ela finalmente conseguiu compreender os sentimentos de seus pais.

O plano original deles, de informar a Suguha a verdade depois que ela entrasse no ensino médio, foi adiantado, basicamente, eles disseram a ela toda a verdade sobre a família enquanto Kazuto ainda estivesse vivo, essa foi a decisão amarga que ambos tiveram de fazer. Meses haviam se passado desde o inicio do incidente SAO, e já havia o número absurdo de duas mil mortes. Nessas circunstâncias, ambos não tinham opção que não fosse aceitar a morte certa de Kazuto. Ao menos depois de tudo estivesse acabado, eles não iriam se sentir

péssimos por Suguha «não saber de nada», e isso fora o que os seus pais certamente pensaram.

Suguha, que ainda carregava um grande número de emoções conflituosas, frequentemente visitava o quarto onde Kazuto estava e continuava a pensar naquilo. Que esse seu irmão não era seu irmão de verdade e que estava perdido.

Pouco tempo depois ela veio com a resposta de aquilo não era nada.

Que nada iria mudar. Que aquilo não a machucaria. Mesmo antes de ela saber a verdade e depois que ela soube da verdade, ela sempre, estivera e estaria rezando pelo bem estar de Kazuto e pelo seu retorno.

Durante esses dois anos, apenas metade das orações de Suguha foram realizadas.

Enquanto admirava seu perfil, Suguha disse com suavidade.

"... Ei, Mãe.”

“Sim?”

“... Onii-chan, desde que ela era um calouro¹² no ensino médio, ele sempre esteve apenas jogando jogos online, certo...? Você acha que existe uma relação?”

Aquela pergunta, que omitia uma única palavra, de que ele não era uma criança da família Kirigaya, fez com que Midori imediatamente balançasse sua cabeça.

“Não, não está relacionado. Isso por que quando ele tinha seis, ele construiu um maquina sozinho usando peças velhas que estavam no meu quarto. Pelo contrário, meu sangue viciado em PC foi herdado, mentalmente é claro.”

Sorridente, Suguha cutucou o braço da mãe com o cotovelo.

“Falando nisso, você também gostava de jogos quando era criança também. Eu ouvi isso da vovó.”

“Isso mesmo. Eu estive jogando jogos online desde que estava no primário. Kazuto, de alguma forma, nunca me preocupou quanto a isso.”

Novamente, ambos riram com sinceridade. Midori focou-se com seus olhos cheios de amor para a cama.

“... Entretanto, não importa qual fosse o jogo, eu nunca me tornei uma jogadora de primeira linha. Nunca tive paciência e determinação o suficiente. Essa herança não está presente em mim, mas em você. Justamente por continuar no Kendo por oito anos, vocês tem o mesmo sangue fluindo e é por isso que Kazuto está sobrevivendo até agora. Eventualmente, ele iria retornar.”

“Plop”, Midori colocou sua mão sobre a cabeça de Suguha e levantou-se.

“Então, eu vou indo primeiro. Você também não deve chegar em casa tarde.”

“Tudo bem, eu entendo.”

Suguha assentiu e Midori olhou para Kazuto mais uma vez e sussurrou um “Feliz Aniversário”. Depois disso, ela piscou algumas vezes, controlando as lágrimas, e se virou, deixando rapidamente o quarto de hospital.

Suguha agarrou a ponta da sua saia com ambas as mãos, respirou fundo e novamente olhou para os idicadores LED no elmo que estava sobre a cabeça do irmão.

As luzes verdes, que mostravam a conexão com a rede e a conexão cerebral, estavam piscando repetidamente.

Nesse momento, do outro lado da rede, estava o servidor de SAO e a consciência de Kazuto e através do NerveGear, incontáveis sinais estavam sendo enviados.

Perguntava-se onde o irmão estaria agora. Ele poderia estar andando em um calabouço sombrio com um mapa na mão. Ele podia estar no meio de uma liquidação de uma loja de segunda mão. Ou talvez, enfrentando um monstro horrível e estivesse cruzando espadas com ele.

Ela gentilmente colocou ambas as mãos e cobriu a branca mão dele novamente.

O verdadeiro sentido de tato de Kazuto foi totalmente anulado pelo NerveGear na medula espinhal, antes de chegar ao cérebro. Entretanto, olhando para a pele que Suguha acabou de tocar, ela acreditava que aquele encorajamento certamente o alcançou.

Isso por que Suguha podia sentir novamente, A alma desse jovem, seu irmão, que para ser mais preciso é seu primo, emitia um calor intenso. Ele mantinha firme sua intenção de sobreviver e voltar para o mundo real.

Do outro lado da cortina branca, a luz dourada logo mudou para o vermelho e então roxo; mesmo quando o quarto não tinha mais aquela iluminação natural, Suguha continuou ali, sem se mover, prestando atenção à respiração controlada de seu irmão.

A mensagem urgente de que Kazuto despertara foi enviada pelo hospital. Isso foi um mês depois, em sete de Novembro, 2024.