Sword Art Online ~Brazilian Portuguese~:Volume 1 Capitulo 23

From Baka-Tsuki
Jump to: navigation, search

Capítulo 23[edit]

Kayaba pressionou seus lábios e moveu seus braços em um gesto dramático.

“Isso é mesmo surpreendente. Não parece com uma daquelas cenas clássicas de RPGs comuns? Deveria ser impossível para ela se recuperar da paralisia... Então coisas assim podem realmente acontecer...”

Mas a sua voz não foi nem sequer percebida pela minha mente. Eu senti como se todas as minhas emoções estivessem queimando, como se eu estive mergulhando em um abismo de desespero. Não havia mais razão para eu fazer qualquer coisa.

Tanto faz se é lutar nesse mundo, voltar ao mundo real ou até mesmo continuar a viver. Todas essas coisas perderam seus significados. Eu deveria ter me matado naquele dia, quando minha incapacidade e falta de poder permitiram a morte dos membros companheiros de guilda. Se eu tivesse feito isso, então eu não teria conhecido a Asuna, muito menos teria cometido o mesmo erro.

Impedir que Asuna cometesse suicídio — que coisa estúpida e descuidada de se dizer. Eu não tinha entendido nada a final. Apenas como — com meu coração completamente vazio — como eu poderia continuar a viver... Eu olhei fixamente para rapier de Asuna, que brilhava no chão. Eu a alcancei com minha mão esquerda e a segurei.

Tentei encontrar qualquer traço da existência de Asuna naquela arma fina e ágil, mas não havia nada. Não havia nada além de uma superfície brilhante, que não indicava quem era o seu dono. Com minha própria espada na mão direita e a de Asuna na esquerda, eu lentamente movi-me para trás.

Nada mais importa. Eu quero apenas ir e encontrá-la, junto às memórias do curto período em que vivemos juntos.

Pensei ter ouvido alguém me chamar atrás de mim.

Mas eu não parei e então andei em direção de Kayaba com minha espada direita levantada. Eu dei vários passos até ele e tentei o atacar com a minha espada.

Kayaba me olhou com uma expressão infeliz diante do meu movimento, que nem se quer podia ser chamado de habilidade ou ataque — ele parou minha espada facilmente com seu escudo e a fez voar, quando sua espada longa na mão direita perfurou em linha reta o meu peito.

Eu olhei sem emoção para o pedaço brilhante de metal que estava enterrado profundamente no meu corpo. Minha mente não pensava em mais nada. Tudo que havia eram um branco e a sensação de que tudo havia acabado. Na borda da minha visão, eu pude ver a minha barra de HP reduzindo lentamente. Eu não sabia se eram os meus sentidos acelerados pela batalha, mas eu podia ver cada ponto desaparecendo. Fechei meus olhos, esperando que a imagem do sorriso de Asuna pudesse surgiu com a minha mente em branco.

Mas mesmo quando fechei meus olhos, a barra de HP ainda não havia desaparecido. Foi piscando vermelha e se tornando menor em um ritmo implacável. Eu senti como se o deus conhecido com sistema, que esteve tolerando a minha existência até agora, estava esperando pelo momento final. Apenas dez pontos restavam agora, agora cinco, agora—

Então, eu subitamente senti uma fúria que nunca havia experimentado antes.

Foi esse desgraçado. Fora ele quem matou Asuna. O criador, Kayaba, era apenas uma parte disso. Aquele que havia destruído o corpo de Asuna e extinguido seu espírito, era essa presença que estava me cercando agora—a vontade do sistema em si, o deus digital da morte que ria dos jogadores como se eles fossem idiotas e os atravessavam com sua foice sem misericórdia.

O que diabos nós somos? Apenas um bando de marionetes estúpidas, controlados pelos fios indestrutíveis do sistema de sistema de SAO?

Minha barra de HP desapareceu completamente, como se estivesse zombando da minha raiva. Uma mensagem roxa apareceu na minha visão: [Você está morto]. Esse era o comando do deus para a morte.

Um frio glacial tomou meu corpo. Meus sentidos se confundiram. Senti infinitos blocos de dados, se rompendo e destruindo meu ser. O frio atravessou meu pescoço e chegou até minha cabeça. Tato, som, visão, tudo se tornou confuso. Meu corpo inteiro estava começando a dissolver—se tornando vários fragmentos de polígonos—antes de se espalharem para todas as direções—

Você acha que Eu vou deixar isso acontecer?

Eu abri meus olhos. Eu podia ver. Eu ainda podia ver. Eu podia ver o rosto de Kayaba, com sua espada profundamente enterrada no meu peito, e sua expressão de surpresa nele.

Talvez meus sentidos acelerados tenham mesmo retornado, como se a morte do meu avatar, o que normalmente acontece de uma única vez, eu sentia desacelerar, todo o meu corpo estava se partindo, com partículas de luz se quebrando e desaparecendo aqui e ali, mas eu continuava existindo. Eu estava vivo ainda.

“Hiiiiyaaaa!”

Eu gritei com todas as minhas forças. Gritei e resisti. Resisti ao sistema, o deus absoluto.

Apenas para me salvar, a tímida e mimada Asuna havia se libertado de uma paralisia incurável apenas com sua força de vontade e se jogou contra um ataque que era impossível de bloquear. Como eu poderia cair agora sem fazer nada? Eu não posso ser derrotado agora, absolutamente não. Mesmo que eu não possa evitar a morte—eu tenho que—ao menos—

Eu apertei minha mão esquerda. Eu estava novamente consciente, como se tivesse sido puxado por um fio. A sensação de estar segurando algo na minha na minha mão esquerda retornou. A rapier de Asuna—Eu podia sentir a determinação que ela possuía. Eu podia ouvir ela me dizendo para ser forte.

Minha mão esquerda lentamente começou a se mover. Ela estava distorcida e prestes a se partir com qualquer movimento. Mas ele não parou. Pouco a pouco, ela consumiu toda a minha alma, para levantá-la.

Talvez, como preço para minha resistência insolente, uma dor inimaginável atravessou meu corpo, mas eu cerrei meus dentes e continue a me mover. A distância de meros dez centímetros parecia inatingível. Senti como se meu corpo estivesse congelando. Eu consegui sentir apenas meu braço esquerdo, ainda que o frio começasse a tomar essa minha parte também. Todo meu corpo era como uma estátua congelada que continuava se partir.

Mas, ao menos, a rapier prateada atingiu o centro do peito de Kayaba. Ele não se moveu. Sua expressão surpresa já havia desaparecido—um pequeno sorriso pacífico tomou seu lugar. Meu braço havia coberto a distância restante, metade por minha própria determinação, metade por uma força inexplicável. Kayaba fechou seus olhos e recebeu o ataque da Rapier que atravessou seu corpo sem causar nenhum ruído. Sua barra de HP também desapareceu.

Por um momento, nós simplesmente nos encaramos. Com nossas espadas atravessadas no corpo do outro. Eu usei o que restava da minha força para levantar a cabeça e olhar para o céu. Isso foi—suficiente...?

Apesar de eu não poder ouvir a resposta dela, eu pude sentir ligeiro calor ao redor da minha mão esquerda. Finalmente, eu libertei o meu corpo, que estava prestes a se partir completamente. Quando minha mente mergulhou em profunda escuridão, eu senti que o meu corpo e de Kayaba estavam se despedaçando em centenas de pedaços ao mesmo tempo. O som familiar de dois objetos sendo destruídos, sobrepostos um ao outro. Como se tudo estivesse se afastando em uma velocidade incrível. Eu podia ouvir vozes distantes chamando pelo meu nome. Percebi que essas deveriam ser as vozes de Cline e Egil, então, naquele momento, a voz estoica anunciou—

O jogo foi concluído — O jogo foi concluído — O jogo...